ACESSIBILIDADE

SUSAM

Secretaria de Estado de Saúde



Fundação Hospital Adriano Jorge participa do 1° Encontro Internacional do Projeto Paciente Seguro

04/04/2017 09:59:29

O compartilhamento de duas experiências estrangeiras na área da saúde marcou o 1° Encontro Internacional do Projeto Paciente Seguro, realizado nos dias 30 e 31 de março, em Porto Alegre. Também houve apresentações de resultados alcançados por 15 instituições brasileiras participantes da iniciativa, entre eles a Fundação Hospital Adriano Jorge. Criado para evitar eventos adversos – termo que designa complicações indesejadas decorrentes de procedimentos incorretos em pacientes –, o projeto é coordenado nacionalmente pelo Hospital Moinhos de Vento em parceria com o Ministério da Saúde. O projeto “Implantação do Programa de Segurança do Paciente e Desenvolvimento de Ferramentas de Gestão, Educação e Práticas Compartilhadas” é desenvolvido por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) para melhorar a segurança do paciente em hospitais públicos em todo o país, com base no Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Elenara Ribas, líder do projeto, ressalta que começam pelas pessoas os processos para se evitar a ocorrência de eventos adversos. “Compartilhar é a palavra deste encontro, por isso contamos com a presença de todas as instituições participantes e cerca de 350 pessoas, que serão replicadoras de boas práticas”. A equipe que representou a Fundação Hospital Adriano Jorge no evento destacou a importância da iniciativa. Ressaltou que o compartilhamento das experiências vivenciadas contribuem para auxiliar a instituição a encontrar sua forma de construir processos mais seguros e centrados no que é importante para o paciente. O encontro também foi uma oportunidade para que cada instituição compartilhasse os avanços obtidos até o momento com a nova metodologia. Cuidado com o paciente - Entre os palestrantes internacionais, Melinda Sawyer, diretora de Segurança e Educação de Pacientes da Johns Hopkins Medicine, dos Estados Unidos, apresentou um amplo estudo mostrando que a principal conquista para melhorar o cuidado com o paciente é a mudança de cultura na hora de consolidar um novo procedimento. De acordo com Melinda, erros com pacientes são a terceira causa de morte nos EUA. Com o programa adotado na instituição, chamado de CUSP, sigla para Comprehensive Unit Safety Program, houve redução de 66% na infecção sanguínea por cateter e redução de 71% nos casos de pneumonia associados ao uso de ventiladores. Anualmente, a economia para o sistema de saúde dos EUA chega a US$ 1,1 milhão com a adoção do programa. Da Espanha veio a constatação de que é importante ouvir quem está internado. Na palestra “O papel do paciente na segurança do paciente”, o psicólogo clínico José Joaquín Mira Solves, professor da Universidade Miguel Hernández de Elche, de Alicante, enfatizou que o profissional da área da saúde não deve prescindir do relato de quem recebe os cuidados. Estudo sobre mortalidade infantil - O diretor executivo do Ubora Institute, Ernest Kanyoke, também descreveu seu trabalho na área da saúde na África. Um dos exemplos apresentados foi a implementação de programas de melhoria, monitoramento e avaliação que diminuiu a mortalidade de crianças até cinco anos de idade. No intervalo entre painéis e debates houve a comemoração pelos quatro anos do Programa Nacional de Segurança do Paciente, completados no dia 1º de abril. Dicas de Melinda Sawyer, diretora de Segurança e Educação de Pacientes da Johns Hopkins Medicine: · É preciso engajar equipes, educar, executar e avaliar os processos adotados; · Comecem por uma unidade. Depois ampliem para outras áreas; · É necessário ter transparência com toda a equipe envolvida sobre as novidades; · É preciso deixar bem claro por que está se alterando um processo e por que os funcionários envolvidos precisam fazer diferente; · Muitas pessoas têm sentimento de perda quando se diz que não é para fazer mais da forma que faziam. Então, é preciso dar suporte para elas. Se não fizer isso, não vai dar certo. É necessário apontar o benefício da mudança.