ACESSIBILIDADE

SUSAM

Secretaria de Estado de Saúde



Menina internada na FMT-HDV faleceu neste sábado; Lacen e FVS confirmam raiva humana

04/12/2017 14:23:38

A Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) informou, neste sábado (02/12), o falecimento da menina de dez anos que estava internada na unidade desde o dia 17 de novembro, com diagnóstico de encefalite viral. O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), também informou que recebeu a confirmação de diagnóstico para Raiva Humana, feita pelo Instituto Pasteur, de São Paulo, laboratório de referência para o Ministério da Saúde.

Uma equipe do Ministério da Saúde (MS) está no Amazonas desde sexta-feira (01/12), para acompanhar o trabalho que vem sendo feito pelas autoridades de saúde local. Na manhã deste sábado, eles estiveram na FMT-HVD, junto com o diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Bernardino Albuquerque. Também vão acompanhar os trabalhos preventivos, de profilaxia  e de investigação que estão sendo comandados pela FVS-AM na área da Resex do rio Unini, onde a criança morava. Ela é irmã do adolescente que também foi a óbito em decorrência da doença, causada pelo vírus rábico. 

A suspeita de Raiva Humana foi levantada desde o início, por conta do histórico dos pacientes para mordida de morcego. Familiares relataram que os irmãos haviam sido atacados pelo animal na comunidade Tapira, no Rio Unini, zona rural de Barcelos, onde residiam.

Investigação
De acordo com o diretor de Doenças Transmitidas da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), órgão do MS, Márcio Garcia, a equipe de saúde do Amazonas interviu de forma oportuna e precisa na interrupção do surto de raiva humana no município amazonense. "A equipe de técnicos da SVS segue o acompanhamento dos casos com a equipe local, pois é de interesse do Ministério da Saúde a atualização de protocolos preconizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). É rotina da instituição apoiar os Estados no enfrentamento de situações emergenciais", afirmou.

De acordo com a FMT-HVD, apesar de todos os esforços no atendimento à paciente, incluindo a adoção do Protocolo de Milwaukee, indicado pelo Ministério da Saúde, com uso dos medicamentos Biopterina e Amantadina, as chances de sobrevivência eram mínimas desde o início. O tratamento é responsável pelos três únicos casos de cura de raiva humana registrados no mundo.

“O estado dela, desde que deu entrada na unidade, era gravíssimo. Todos os cuidados e procedimentos foram cumpridos, mas não houve involução no quadro. Infelizmente, a letalidade da doença é de 99,9%”, destacou o médico infectologista da FMT-HVD, Antônio Magela, que, junto com uma equipe de pediatras e intensivistas, cuidou da paciente. Ele informou que a paciente apresentou pela manhã instabilidade hemodinâmica, com parada cardio-respiratória não responsiva à reanimação.

“É uma doença rara no País, assim como não é comum a transmissão por morcegos, o que deve ser investigado. O Ministério da Saúde tem feito esse trabalho de acompanhamento sempre que detectado algum caso com o intuito de evitar novas transmissões”, declarou o diretor-presidente da FVS-AM, Bernardino Albuquerque. Ele ressaltou que  os casos mais significativos aconteceram em cidades da fronteira entre o Pará e o Maranhão, entre 2004 e 2005, com 44 pessoas infectadas que foram a óbito. No Amazonas, dois casos foram detectados em 2002, também com óbito.

Segundo o diretor-presidente da FVS-AM, por ser uma situação nova, a transmissão por morcegos vem sendo estudada nos últimos casos. “É preciso saber por que os morcegos estão buscando o homem para se alimentar. Uma das linhas de investigação aponta para fatores naturais, como o desmatamento e a seca, que fazem com que a fonte natural de alimentos desses mamíferos, no caso os animais silvestres, se esgote”, disse.

Vacinação
A FVS-AM esclarece que a prevenção contra raiva humana, através do uso do soro e vacina está indicado aos pacientes com risco de desenvolver a infecção seja por mordedura de animais suspeitos ou no caso pela agressão de morcegos. O tratamento é feito em quatro doses. De acordo com as informações da Secretaria Municipal de Saúde de Barcelos, a equipe do órgão encontra-se na região do rio Unini, para realizar a sorovacinação profilática nas pessoas agredidas por morcegos nos últimos doze meses.

As ações de vacinação, humana ou animal, são municipalizadas, ou seja, a responsabilidade da execução é das 62 Secretarias Municipais de Saúde do Amazonas, que devem realizar anualmente as campanhas de imunização de cães e gatos em todas as comunidades de seu território e também os esquemas de sorovacinação de profilaxia da raiva humana nas pessoas agredidas por animais.

A FVS-AM é responsável pelo abastecimento e manutenção dos estoques dos soros e vacinas, que são dispensados pelo PNI/FVS-AM de acordo com os pedidos dos municípios. Este ano, o município de Barcelos foi atendido com quantidade suficiente de doses de vacina antirrábica para animais, vacina antirrábica para humanos e soro antirrábico, conforme sua solicitação. A FVS-AM, de forma rotineira, realiza treinamento para vacinadores, para profissionais de saúde na profilaxia da raiva humana e para a coleta de amostras e controle de morcegos hematófagos. Na última semana, quem esteve à frente da vacinação foram as secretarias municipais de Barcelos e Novo Airão.

A equipe do Departamento de Vigilância Ambiental da FVS-AM retornou na última quarta-feira (29) da zona rural de Barcelos, onde permaneceu durante 11 dias. A equipe é formada por médico veterinário, biólogo, técnicos de zoonose com vasta experiência na prevenção e controle de morcegos. Eles visitaram e realizaram trabalho de controle a surtos, nas nove comunidades localizadas na extensão de cem quilômetros do Rio Unini.

De acordo com o chefe do Departamento de Vigilância Ambiental da FVS-AM, Cristiano Fernandes, dentre as atividades desenvolvidas, foram capturados 31 morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus, coletados em todas as comunidades que tiveram ocorrência de agressões por estes animais, no Rio Unini. "Sete exemplares de morcegos hematófagos foram encaminhados para pesquisa do vírus rábico, e os demais 24 foram tratados com pasta vampiricida e soltos para o controle das colônias, método indicado para a diminuição de ataques por estes animais", explica Fernandes.

Fernandes esclarece que outros exemplares de morcegos não hematófagos também foram encaminhados para pesquisa viral. "Os morcegos serão encaminhados para o LACEN/FVS-AM, para que sejam feitos os testes necessários da presença do vírus. Isso trará mais informações sobre a circulação dos vírus nestes animais", comentou Fernandes.

Ainda em relação à ação realizada em Barcelos, Fernandes informou que a equipe da FVS-AM, juntamente com a SEMSA-Barcelos, realizou a vacinação contra raiva em todos os animais domésticos das comunidades, além da atualização do censo canino, garantindo assim as medidas preconizadas pelo Ministério da Saúde para o enfrentamento da doença.