ACESSIBILIDADE

SUSAM

Secretaria de Estado de Saúde



Governo e Prefeitura reforçam prevenção ao sarampo, doença com quatro casos suspeitos em Manaus

09/03/2018 19:11:44

As autoridades sanitárias do Amazonas reuniram-se, nesta sexta-feira (09/03), na Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), para reforçar as estratégias de prevenção e controle ao sarampo. A FVS-AM, órgão da Secretaria de Estado da Saúde (Susam), confirmou que quatro casos suspeitos da doença estão sendo investigados em Manaus. Os pacientes são crianças menores de um ano, que foram transferidos para a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), unidade de referência para o tratamento da doença. Dois outros casos notificados, sendo um em Anori e um em Manaus, foram descartados, nesta sexta-feira.

Todos os casos suspeitos de Manaus deram entrada no HPS da Zona Norte com sintomas que se assemelham ao sarampo e são oriundos de bairros nas redondezas do hospital – Santa Etelvina, Monte das Oliveiras e um caso na BR-174. 

Na reunião, foram definidas estratégias para reforçar a prevenção e vigilância epidemiológica na capital e na Região Metropolitana de Manaus. Entre as medidas imediatas está a intensificação da vacinação pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) de Manaus. Em uma ação conjunta entre Estado e Prefeitura, será feita uma varredura na área onde os casos foram identificados, com vacinação de casa em casa. O secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, explica que será realizado também um trabalho de orientação nas creches e escolas da região.

Cerca de 6 mil servidores da Susam serão vacinados, disse ele. O foco serão os profissionais que atuam em unidades de urgência e emergência adultas e infantis, além de todos os servidores dos Centros de Atenção Integral à Criança (CAICs). 

Casos sem confirmação definitiva - O diretor-presidente da FVS, infectologista Bernardino Albuquerque, esclarece que, até o momento, nenhum dos casos suspeitos tem confirmação definitiva, apesar de exames preliminares realizados pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) indicarem sorologia positiva em dois casos. Isto porque a recomendação do Ministério da Saúde é de fazer duas sorologias - uma primeira ao notificar o caso, e uma segunda amostra após 20 dias, além de enviar o material para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para exames mais específicos. 

“A medida que ocorreu o primeiro caso em Roraima, iniciamos todo um processo de vigilância epidemiológica, trabalhando com toda a rede de saúde do Estado do Amazonas, tanto pública como privada, no sentido de fazer o mais precocemente a captação de casos considerados suspeitos de sarampo. Hoje temos quatro casos considerados suspeitos, estamos trabalhando na confirmação laboratorial destes casos, seguindo todo um processo de exames. Mesmo assim, toda a prevenção já está sendo desenvolvida no que diz respeito não só ao bloqueio, mas também o aumento da cobertura vacinal do município de Manaus”, disse Bernardino.

Alerta - O diretor esclarece que, como todas as unidades de saúde da capital e da Região Metropolitana de Manaus estão em alerta para o sarampo, toda pessoa que apresentar sintoma que se assemelhem à doença será investigada, conforme recomenda Nota Técnica expedida na última quarta-feira (07/03) pela FVS-AM.
 
É considerado caso suspeito todo indivíduo que, independente da idade, apresente febre axantema maculopapular (com pequenas manchas vermelhas) acompanhado de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/coriza e/ou conjuntivite; com histórico de viagem a região com caso confirmado de sarampo nos últimos 30 dias, ou de contato no mesmo período com alguém que viajou à essas localidades.

Nota técnica - No dia 7 de março, a FVS-AM emitiu nota técnica por meio da qual alerta os profissionais da rede de saúde para a necessidade de intensificação das ações de vigilância epidemiológica do Sarampo e do Diagnóstico Diferencial para doenças semelhantes, como rubéola, dengue e outras. Entre as medidas, a orientação para que todos os casos suspeitos sejam encaminhados à FMT.

O HPS da Zona Norte, onde quatro casos suspeitos deram entrada, informou que reforçou o alerta, sob a coordenação do Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar, naquela unidade.

O HPS atendeu quatro crianças com menos de um ano com febre exantemática (pequenas manchas vermelhas), um dos sintomas do sarampo. São pacientes residentes em bairros da zona norte, como o Santa Etelvina, e BR 174. Em apenas dois casos os pais relataram ter contato com venezuelanos. Relataram, ainda, que, inicialmente, a mãe ou o pai apresentaram coriza e febre e, posteriormente, as crianças vieram a apresentar, além desses sintomas, exantema maculopapular.

As crianças foram transferidas para a FMT-HVD. Uma área da unidade, com capacidade para oito leitos, foi reservada para atender somente os casos suspeitos de sarampo.

Estoque da vacina - A coordenação estadual do Programa Nacional de Imunização (PNI) informou que possui estoque suficiente da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba. “Temos hoje, em estoque, cerca de 60 mil doses da vacina para atender os municípios do Estado. Disponibilizamos 30 mil para o município de Manaus, que já estão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde”, explicou Albuquerque.

De acordo com o Ministério da Saúde, a primeira dose da vacina Tríplice Viral deve ser aplicada aos doze meses de idade. Uma segunda dose, com a Tetraviral, deve ser aplicada aos 15 meses de idade. Na faixa-etária de 02 a 29 anos, recomenda-se administrar duas doses da Tríplice Viral e, de 30 a 49 anos, uma dose da Tríplice Viral, para quem não tiver comprovante de vacinação.

Medidas no HPS da Zona Norte - O HPS Zona Norte informa que, desde que identificou o primeiro caso na última segunda-feira (05), tem adotado severas medidas de controle como: notificação imediata dos órgãos de vigilância em saúde, coleta de amostras para exames, internação e isolamento em relação aos demais pacientes, uso de máscara NR 95 pelos profissionais da assistência, assim como o uso de luvas e aventais descartáveis, lavagem das mãos e uso de álcool em gel.

As amostras coletadas foram enviadas para o Lacen para verificar, não apenas casos de sarampo, mas, também, doenças de diagnóstico diferencial como: rubéola, dengue, chikungunya e zika.