ACESSIBILIDADE

SUSAM

Secretaria de Estado de Saúde



Atendimento nas maternidades de Manaus aumentou 5%, conforme balanço da Susam

11/12/2018 10:15:11

As maternidades da rede pública estadual de saúde realizaram 31.575 atendimentos, de janeiro a outubro deste ano, 5% a mais que o mesmo período de 2017, quando foram feitos 30.076 atendimentos. As unidades também aumentaram o número de leitos, passaram por reforma e melhorias estruturais que, segundo o secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, contribuíram para aumentar a oferta e a qualidade dos serviços.

 

A rede estadual de saúde conta com sete maternidades – Instituto Dona Lindu, Hospital e Maternidade Chapot Prevost, Balbina Mestrinho, Ana Braga, Nazira Daou, Azilda Marreiro e Alvorada.

 

De acordo com a secretária Executiva Adjunta de Atenção Especializada da Capital, Joselita Nobre, o Governo do Estado investiu bastante em recursos humanos, promovendo a capacitação e qualificação de servidores que atendem nessas unidades.

 

“Os servidores participaram de diversos treinamentos que foram oferecidos ao longo do ano, como o Apice On, um projeto do Ministério da Saúde que visa aprimorar o modelo de atenção ao parto e nascimento, nas maternidades, além de cursos ofertados em parceria com o Cetam para os profissionais do interior e a qualificação das parteiras profissionais. Todas essas ações foram previstas no Plano Estadual de Redução da Mortalidade Materna, que vem sendo implantado pela Secretaria Estadual de Saúde (Susam), para melhorar o atendimento nas maternidades do Estado”, afirmou.

 

Joselita destaca, também, o aumento do número de servidores atuando nas maternidades, com a convocação de aprovados no concurso público. “As convocações realizadas este ano permitiram que as maternidades tivessem seu quadro funcional aumentado, impactando na melhoria do atendimento”, frisou.

 

O Instituto Dona Lindu, Chapot Prevost e as maternidades Balbina Mestrinho e Ana Braga ampliaram a oferta de leitos nesse período, abrindo 71 novas vagas, no total, além de passarem por reforma predial e de móveis hospitalares, e ampliação de setores.

 

A Susam instalou novos aparelhos de ar condicionados nas recepções, enfermarias e na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) do Instituto da Mulher Dona Lindu. A unidade mudou o serviço de imagem de raio-X de analógico para digital e reestruturou o serviço de mamografia.

 

A diretora do Instituto, Maria Áladia Tavares Jimenez, explica que as reformas na estrutura do prédio foram importantes, inclusive, para atender melhor as pacientes. “Toda a revitalização da parte estrutural do prédio nos ajudou a organizar melhor o atendimento, com salas específicas para determinados serviços, por exemplo, para marcação de consultas e exames via Sistema de Regulação (Sisreg), que antes ficava na recepção”, comenta.

 

O quadro de servidores do Instituto da Mulher também recebeu reforço, com o ingresso de 70 enfermeiros, um fisioterapeuta e três agentes administrativos, aprovados no concurso público. Os pacientes agora podem contar com o projeto Posso Ajudar, que os orienta e aos acompanhantes, tirando dúvidas e encaminhando aos setores corretos.

 

 “Durante essa gestão avançamos muito no cuidado aos pacientes. Cada revitalização de ambiente, reestruturação no atendimento e criação de programas de acolhimento gera impacto direto na qualidade do atendimento às mães e bebês que nascem aqui na unidade”, avalia a diretora do Instituto Dona Lindu. Na unidade, de janeiro a outubro de 2018, foram realizados 5.753 atendimentos, sendo 4.571 partos, incluindo normais, cesarianas e gemelares, e 1.182 procedimentos de curetagem, intercorrência obstetrícia.

 

Nesta gestão também foi implantado no instituto o Banco de Cordão Umbilical em parceria com a Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (FHEMOAM).

 

Padrão de excelência - Com 66 leitos hospitalares para internação e outros 13 auxiliares, a Maternidade Dona Nazira Daou, na Cidade Nova, também foi destaque este ano, com a renovação da certificação de qualidade ISO 9001/2015. O selo atesta o padrão de excelência na qualidade dos serviços oferecidos na unidade e foi concedido após auditoria.

 

Na maternidade, a Susam realizou a reforma da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN), UCI Neonatal Canguru (UCINca) e UCI Neonatal Convencional (UCINco), além de melhorias em vários ambientes, como banheiros e alojamentos conjuntos. Na unidade, foram instalados 14 aparelhos de ar condicionados novos.  A Maternidade Nazira Daou não recebia obras de revitalização e reformas desde 2002, quando foi inaugurada.

 

O número de atendimentos na unidade, de janeiro a outubro deste ano, chegou a 4.535, sendo um total de 3.079 partos, uma média de 302 por mês.

 

Balbina Mestrinho - A Maternidade Balbina Mestrinho realizou em 2018, de janeiro a outubro, 4.611 partos. Desde que atual gestão assumiu, em outubro do ano passado, a unidade passou por melhorias em todos os setores, com destaque em enfermaria e centro cirúrgico, e apresentou avanços nos serviços prestados. Durante todo o ano de 2018 a maternidade realizou 5.095 atendimentos, entre partos, curetagem, intercorrência obstétrica e atendimento a puérperas entre 12 e 18 anos.  A unidade ganhou, também, uma nova ambulância para remoção de pacientes. Alguns setores receberam reestruturação física, como o alojamento conjunto. A unidade também ganhou um Banco de Leite Humano.

 

A Balbina Mestrinho ampliou de 10 para 16 o número de leitos para bebês prematuros. A ampliação foi possível com a conclusão das obras na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal (UCINCo), que estava com seis leitos desativados desde 2013, por problemas na estrutura física do prédio.

 

Nas salas de pré-parto, parto e pós-parto, as melhorias foram na estrutura física e no aumento de enfermeiras obstetras no atendimento. O centro cirúrgico recebeu manutenção e na sala de parto as suítes ganharam banheiras com assistência ao parto na água.

 

Ana Braga - Em 2018 a maternidade Ana Braga realizou 8.307 atendimentos. Desse total, 6.548 foram de partos realizados na unidade. A maior maternidade do Amazonas não recebia nenhuma reforma em 13 anos, desde que foi inaugurada e, desde outubro do ano passado, vem passando por revitalização. As obras são feitas por etapas para não prejudicar o atendimento.

 

A reforma já foi concluída em dez enfermarias, nos centros cirúrgicos, na recepção, no pré-parto e na admissão. Além disso, mais de 300 metros quadrados de telhados foram trocados, pondo fim aos problemas de goteiras; 25 novos aparelhos de ar condicionado foram implantados e o sistema de climatização recebeu reparos; foi feita a reestruturação do serviço de jardinagem e paisagismo, a pintura geral da unidade com padronização de cores, a recomposição de forro de todas as fachadas, a troca de todos os vidros e esquadrias, fechaduras, portas danificadas ou quebradas. Todos os banheiros estão sendo reformados.

 

Alvorada - Com 24 leitos de alojamento conjunto, 6 leitos PPP (Pré-Parto, Parto e Pós Parto), 4 leitos de UCINCo, 3 de UCINCa, uma sala cirúrgica e 3 leitos de recuperação anestésica,  a maternidade Alvorada realizou 2.234 atendimentos, entre janeiro e outubro de 2018, incluindo partos, curetagem e demais atendimentos obstétricos.

 

A unidade, que tem o título de Hospital Amigo da Criança e segue o Programa Nacional da Rede Cegonha, por priorizar o parto natural e humanizado, aumentou o número de partos normais em relação a 2017. Foram 1.152 em 2018 e 1.066 no ano anterior.

 

A maternidade recebeu melhorias estruturais, como reformas nas enfermarias, banheiros, confortos dos médicos e na fachada, além da reforma do reservatório de água. A unidade também recebeu um novo carro de anestesia e um novo aparelho de ultrassonografia. A central de material esterilizado e o posto de coleta de leite humano ganharam climatização central, que contribuíram para melhorar o atendimento às gestantes.

 

Chapot Prevot - A maternidade Chapot Prevot, na zona leste, funciona juntamente com o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) e o Hospital. Para atender a alta demanda mais 27 leitos do hospital foram destinados à unidade materna. 

 

De acordo com a diretora da maternidade, Sandra Lúcia Lima, para que a área do hospital recebesse novos leitos de maternidade, foi necessário fazer ajustes estruturais e aquisição de equipamentos. “Tivemos que equipar os novos leitos com camas, berços, incubadoras, mesa cirúrgica, carros de emergência, aparelho de fototerapia e demais equipamentos, para transformar o espaço em leitos de maternidade. Toda a estrutura já está em fase de finalização e ainda em dezembro os novos leitos deverão ser entregues”, afirma.

 

Em 2018, a maternidade Chapot Prevot realizou 1.546 atendimentos, sendo 888 partos normais, 266 cesarianas e dois partos gemelares. Os demais atendimentos foram 165 curetagens e 225 atendimentos a puérperas entre 12 e 18 anos.

 

Azilda Marreiro - Assim como as demais maternidades, a Azilda Marreiro, localizada no bairro Nova Cidade, também recebeu reformas na estrutura predial para melhorar o atendimento às gestantes e bebês. As reformas aconteceram nos banheiros, nos Alcon’s, pré-parto, sala de banho dos bebês, fachada e recepção. Todos os locais receberam melhorias, como pintura, troca de portas e instalação de novos ar-condicionados. Outros espaços, como almoxarifado e vestiário de funcionários que trabalham em regime de plantão, ainda seguem em reforma.

 

A maternidade fez 4.105 atendimentos até outubro de 2018, sendo 2.286 de partos normais, 983 de partos via cesariana e 10 partos gemelares, além de curetagem, intercorrência obstétrica e atendimentos a puérperas entre 12 e 18 anos, somando 826 atendimentos.