ACESSIBILIDADE

SUSAM

Secretaria de Estado de Saúde



FVS-AM realiza oficina para descentralização da soroterapia e antivenenos nos Distritos Sanitários

17/02/2020 08:19:42

Com intuito de definir quais polos-base estarão aptos a receber soros antiveneno para o atendimento a pacientes agredidos por animais peçonhentos nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dseis), a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) realiza, no período de 17 a 19 de fevereiro, oficina para ações integradas na descentralização desse serviço. O treinamento será a partir da 8h30, no auditório da Entomologia da Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado, situada na avenida Pedro Teixeira, bairro Dom Pedro, em Manaus.

 

A capacitação terá a participação de 30 profissionais, entre gestores, médicos e enfermeiros atuantes nos sete Dseis. A oficina é coordenada pela Gerência de Zoonoses da FVS, com a participação de profissionais do Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Estado da Saúde (Susam), Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) e do Programa Estadual de Imunização da FVS (PNI).

 

De acordo com a coordenador da oficina e médico veterinário da FVS-AM, Deugles Cardoso, a atividade tem o objetivo de compartilhar as informações necessárias para os polos-base, que serão responsáveis por atender os casos de agressões por animais peçonhentos.

 

“Entre os protocolos necessários para isso é essencial que haja uma equipe composta por médicos e enfermeiros que serão treinados especificamente para o manejo clínico correto para acidentes com peçonhentos”, antecipou.   

 

No Amazonas - O número de acidentes com animais peçonhentos chegou a 3.235 no período de janeiro a dezembro de 2019 no Amazonas. Em comparação com o mesmo período do ano passado, houve aumento de 8%. Foram 2.971 casos notificados no mesmo período de 2018. Os registros incluem casos envolvendo cobras, aranhas, arraias, escorpiões, lagartas e abelhas.  

 

Referência – A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas é o órgão do governo responsável por manter a gestão da vigilância em acidentes por animais peçonhentos, incluindo capacitações, envio de insumos, assessoria técnica e treinamento em serviço.